Public Notes


Recent Activity

  • Eduardo shared from The Book of Tea by Kakuzo Okakura
    The fifteenth century saw Japan ennoble it into a religion of aestheticism--Teaism. Teaism is a cult founded on the adoration of the beautiful among the sordid facts of everyday existence. It inculcates purity and harmony, the mystery of mutual charity, the romanticism of the social order. It is essentially a worship of the Imperfect, as it is a tender attempt to accomplish something possible in this impossible thing we know as life.
    Note: CC @pollysjobon
  • Eduardo shared from Mobilidade urbana - O que você precisa saber (Breve Companhia) (Portuguese Edition) by Eduardo Alcântara de Vasconcellos
    Considerando um sistema viário de 17 mil quilômetros em São Paulo e apenas vias locais e coletoras asfaltadas, a construção dessa parte do sistema viário custou para o contribuinte 42 bilhões de reais em valores de 2012. Isso significa que o custo dessa parte das vias que serve apenas para os veículos estacionarem gratuitamente foi de 21 bilhões de reais, o que representa um enorme desperdício de recursos. A manutenção dessa área custa por ano, em média, 424 milhões de reais para a cidade.
    Note: A/C @braziu @zani
  • Eduardo shared from Capital in the Twenty-First Century by Thomas Piketty
    The reality is that inequality with respect to capital is a far greater domestic issue than it is an international one.
    Note: Piketty detonando nas descobertas.
  • Eduardo shared from A ditadura envergonhada (Portuguese Edition) by Elio Gaspari
    “O que houve em 1964 não foi uma revolução. As revoluções fazem-se por uma ideia, em favor de uma doutrina. Nós simplesmente fizemos um movimento para derrubar João Goulart. Foi um movimento contra, e não por alguma coisa. Era contra a subversão, contra a corrupção. Em primeiro lugar, nem a subversão nem a corrupção acabam. Você pode reprimi-las, mas não as destruirá. Era algo destinado a corrigir, não a construir algo novo, e isso não é revolução”, explicaria o general Ernesto Geisel em 1981.30
    Note: Geisel admite: não foi revolução. Fim de papo.
  • Eduardo shared from Mobilidade urbana - O que você precisa saber (Breve Companhia) (Portuguese Edition) by Eduardo Alcântara de Vasconcellos
    A adoção do princípio de que calçada é responsabilidade do proprietário daquele lote livrou o poder público da tarefa de construir e cuidar da manutenção dos passeios e gerou uma babel de tipos e níveis de qualidade de calçadas na cidade, muitas delas perigosas e desconfortáveis. O descaso chegou a tal ponto que o decreto de 1988, que definia as condições de construção e permitia a existência de degraus, só foi alterado em 2005, quando um novo decreto proibiu os degraus. Estudos realizados em São Paulo mostraram que a largura minimamente confortável para a circulação de dois...
    Note: calçadas
(São Paulo, SP, Brazil)
Eduardo Nasi