Public Notes


Recent Activity

  • Eduardo shared from A ditadura envergonhada (Portuguese Edition) by Elio Gaspari
    “O que houve em 1964 não foi uma revolução. As revoluções fazem-se por uma ideia, em favor de uma doutrina. Nós simplesmente fizemos um movimento para derrubar João Goulart. Foi um movimento contra, e não por alguma coisa. Era contra a subversão, contra a corrupção. Em primeiro lugar, nem a subversão nem a corrupção acabam. Você pode reprimi-las, mas não as destruirá. Era algo destinado a corrigir, não a construir algo novo, e isso não é revolução”, explicaria o general Ernesto Geisel em 1981.30
    Note: Geisel admite: não foi revolução. Fim de papo.
  • Eduardo shared from Mobilidade urbana - O que você precisa saber (Breve Companhia) (Portuguese Edition) by Eduardo Alcântara de Vasconcellos
    A adoção do princípio de que calçada é responsabilidade do proprietário daquele lote livrou o poder público da tarefa de construir e cuidar da manutenção dos passeios e gerou uma babel de tipos e níveis de qualidade de calçadas na cidade, muitas delas perigosas e desconfortáveis. O descaso chegou a tal ponto que o decreto de 1988, que definia as condições de construção e permitia a existência de degraus, só foi alterado em 2005, quando um novo decreto proibiu os degraus. Estudos realizados em São Paulo mostraram que a largura minimamente confortável para a circulação de dois...
    Note: calçadas
  • Eduardo shared from A ditadura envergonhada (Portuguese Edition) by Elio Gaspari
    A guinada dividira o país. O conservadorismo paulista respondera ao comício do dia 13 com uma Marcha da Família com Deus pela Liberdade, em que se reuniram perto de 200 mil pessoas com faixas ameaçadoras (“Tá chegando a hora de Jango ir embora”) e divertidas (“Vermelho bom, só batom”).21
    Note: Marcha da Família, a original, por Elio Gaspari.
  • Eduardo shared from Show Your Work!: 10 Ways to Share Your Creativity and Get Discovered by Austin Kleon
    “An amateur is an artist who supports himself with outside jobs which enable him to paint,” said artist Ben Shahn. “A professional is someone whose wife works to enable him to paint.”
    Note: Amadores x profissionais.
  • Eduardo shared from Show Your Work!: 10 Ways to Share Your Creativity and Get Discovered by Austin Kleon
    Because, of course, the worst troll is the one that lives in your head. It’s the voice that tells you you’re not good enough, that you suck, and that you’ll never amount to anything. It’s the voice that told me I’d never write another good word after becoming a father. It is one thing to have the troll in your brain, it is another thing to have a stranger hold a megaphone up to it and let it shout.
    Note: Sobre trolls.
(São Paulo, SP, Brazil)
Eduardo Nasi